quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Pra quando a saudade for embora!


Eu vou cantar pra saudade
Com meu vestido florido
E a sua boca.

Eu vou cantar pra saudade
Aquele cheiro, som, imagem dos corpos me incendeia
E um rio carregado de saudade vem correr na minha veia
Na veia, amor, na veia.
É como a luz da lua que atravessa a parede da cadeia
Clareia mais forte que o sol
E quando a saudade chegar com seu batalhão de tempo alimentada
E tantas bandeiras
E de novo eu te olhar, como se mergulhasse no mar
Vou cantar aquele som da gente
E sentir você, rasgar o meu vestido novo.

Florido.