quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Queria morar na lua
Ou que um sapo morasse na minha rua
Queria ter uma lesma de estimação
Queria poder mandar no meu coração.
Mas o que eu queria mesmo era ser astronauta
Ou ser uma samurai
Saber tudo de luta
Ou ser uma dançarina
Vários passos doces, de menina.
Queria esconder segredos secretos
Que tivesse outros atrás de mim pra saber
E eu, viver de me esconder.
Queria ser cantora de jazz, aquele vozeirão
onde todas minhas angustias fossem representados por um microfone
um vestido justo de paetês e a cerveja companhia frequente em minha mão.
Queria nadar numa psicina de confetes
Aqueles chocolatinhos
Queria afundar neles
Queria que nos filtros tivesse toddy
Bem gelado
Todas as horas.
Queria que chovesse todos os dias
Pingos brilhantes.
Queria que meu quarto fosse com chão de bolinhas de gude.
Cuidadosamente encaixado, um tapetão de bolinhas.
Queria saber resolver todos meus problemas
Sim, queria te-los
sem medos.
Queria ter o cabelo cada dia de uma cor
Meu sorvete cada dia de um sabor

Queria não ter todo esse pudor
Queria sanar a vontade de falar às pessoas tudo que penso delas,de dizer na cara as verdades enxergadas, as mentiras lavadas
Queria limpar a sujeira que se vê
Queria que dessem um fim nessa tv

O barulho e a luz são da televisão.
Ela queria que fosse assim.
Então.
Olho a foto da senhora...
um dia ela ja teve 20 anos!
era linda, cabelo pretinho
Hoje todos brancos.
Mas continua linda, serena.
O senso de humor afasta meu espanto
-Foi o retrato que envelheceu, não eu.
Um sorriso
Me passa a impressão de tempo bem aproveitado
ela vira o rosto pro lado direito pra olhar novamente a foto
quantas vezes ja a teria olhado?
Eu olharia todos os dias
Ela não, ela não precisa, ela conhece o dom que é a vida.