segunda-feira, 18 de maio de 2009



Breve momento

dia comprido

Ainda que o corpo sinta-se quebrado,

ainda posso a ti me entregar, poesia.

E na mesa que escrevo

Apenas sobre a meia luz

rastro das asas tuas

um verso

um pensamento

respiro sentimento

Meu veneno

o lado de dentro.

Afronta o sol, provoca-o frente a frente.
Ardente em febre com rubros de coragem
A propagação do espelho é em vermelho, vivo.
Enquanto algumas pessoas dormem, vejo outras arrancando olhos de leões, sujando suas roupas finas com sangue.
Camufladas;
Sem sentimento.

Cuidado para não atrapalhar o sono!
Ao mesmo tempo, decide se prefere limpar-se e passar por cima dos fetos cambaleando, sustentando-se pra não cair;
Ou se vai sujar suas mãos com vísceras quentes.
Esse cheiro me incomoda, essas pessoas me incomodam, mas à frente só vejo esse caminho.

Vou ter que abrir um pra mim.
Vai machucar, eu sei
Foda-se.