terça-feira, 19 de maio de 2009




Ela detesta como é romantica as vezes.
Levantou mal humorada. quieta. azeda.
A música do carro não era o suficiente, precisava de fones, de tons penetrantes correndo no corpo, guitarras, solos, batidas na veia.

Música
É seu remédio.
E anestesiada, sai da sua terapia
Pra mais um dia
No mundo cão.