terça-feira, 23 de junho de 2009

Da vontade de pular



Já tinha prometido não aparecer embriagada na igreja?
É um tal de charme
É o ar da graça
É cedo ou tarde?
Tenho que ir

E colocarei fogo em minhas roupas
Fogo ambulante
Estarei queimando
Sentirei a pele arder
Mas estarei viva
Ainda sinto
Não estarei esperando pelo mal
Ali dentro daquela carne preta
terá luz e fios de esperança
Não se iluda
é só pele queimada
Minha alma ainda dança.
A menina azul veio de Marte
Estranhou o mundo que chegou
tudo era realmente feio
Exceto quando chovia, eli ela conseguia ver beleza nas coisas, nas cores, nas pessoas
Mas a menina azul gritava, esperneava e ninguem ouvia.
(Ora, ela nem sabe se era isso mesmo que ela queria)
A doçura não iria tão cedo, disso ela não tinha medo
Ela era pequena, mas gritava com os monstros, e gritava tão alto que conseguia afastá-los.
Era um pouco muito perdida e tem tantos defeitos!
(Senta cansada na sarjeta e se aproxima os joelhos)
A menina azul tinha um príncipe, é, eles tinham um planeta e uns tantos sonhos na maleta
Ele diz que vão morar lá no doce planeta, ela abre um sorriso do tamanho de um disco quando ele sussura tal audácia.
E ainda, o mundo para quando ele a abraça.

O mundo era cinza, mas eles tinham um planeta...
E tantos sonhos dentro da maleta.