quarta-feira, 24 de junho de 2009

Eu gosto de frio, ah, venha frio.
Vou sair pra rua ver se eu acho uma máquina pra mim
As vezes me surpreendo como tenho capacidade de fazer tantas coisas idiotas
Você ainda me amaria, mãe?
Hoje comi um lanche na rua, e como são gostosos os vermes
O que é errado pra você
Onde enterro o pudor
Não quero usar interrogações
Enquanto escrevo essas bobagens, o tempo está passando
Enjoei da minha cara no espelho
Minha cabeça dói
De um tempo pra cá, tem algo errado aqui
Tem alfinetes cutucando o meu lugar
Não tenho paciência pra assuntos de mulher
Essa olheiras não me deixam
Amanheci com chuva
Dormi com o céu
Pensamentos que amolecem minha moleira.