quarta-feira, 8 de julho de 2009


Não aguento mais minha cara nesse lugar, essas coisas de temperos amentos estão ficando constantes, não tenho tanto medo de coisas como tenho de mim.

Minha insanidade me alimenta
Delírio é minha sustância
Minha inconstância
Quanta ânsia
Minha necessidade de ter a mim mesma pra nunca deixar que meus sentimentos sejam sequer ralados.
Mas nada está fora do lugar.
É tudo tão bagunçadamente encaixado...
Meu coração anda dançando sobre os trilhos
(mais um clichê, esse bem brega)
Mas é.
O medo passeia, lê e fica vermelho, todo mundo mente.
Isso embaralha e leva a loucura qualquer mente.
Tchau vou cortar meu cabelo, descobri que ele muda coisas e até modo de ver o mundo (é, sim!)


Não me veja, não me veja, não me veja

Ah, oi.
Tudo bem sim e você?
(foi só educação se não quiser responder não precisa)
-E sua mãe como ta?
(sei la, ta lá em casa, faz uma semana mais ou menos que não fala comigo)
Está bem.
-E seu pai?
Está bem tambem.
-E seu irmão?
(porra, por que não pergunta da família toda de uma só vez? )
Está bem
- E sua irmã?
(bã)
Tá ótima.
(é isso, tom de fim, ta ótima e fim)
-Ah ela tem uma filhinha agora né.
(óh céus)
Tem sim
(sorrisinho, não devia ter dado, ela vai achar que eu to gostando da conversa)
-Nossa, tão nova né, tadinha
(tadinha seu cú)
Imagina, a Cecíllia é uma alegria pra nossa vida.
(ela come a bola do mouse, mas eu nem ligo, ela poderia comer todas)
-E você está diferente né, o tempo passa....
ahham (droga, eu preciso ficar estática, sem sorrisinhos)
-Engordou né, e cortou aquele cabelão lindo
(filha da puta)
Pois é, você viu.
-Mas continua bonita.
(vou dar um tapa na sua cara e depois assopro, você vai gostar, certeza)
Obrigada
-E você casou, está noiva, enrolada?
(eu casei na praia sabe, mas você não entenderia e nem quero te contar, na verdade poderia estar acordando agora lá, encaixadinha e...)
-Ou está namorando?
(ai meu deus, por que não cala a boca, conta os postes da rua ou lê algum panfletinho de promoção de supermercado)
ahham.
-Ah legal.
É.
-Você viu o enterro do Michael Jackson ontem?
(ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh não não, eu que quero ser enterrada, por favor, não não não)
Não vi, estava trabalhando e...
-Onde você trabalha?
(na zona da sua mãe)
Com seguros
-Aahh, legal.
(acabou a conversa, ufa)
-Aqui no centro mesmo?
(no centro de macumba, lá que eu vou pra me livrar desse despacho)
É sim, ali na rua coronel cavalheiros
(Pq eu disse o endereço, por que? PORQUE?)
-Ahh, vou ter que descer, meu ponto já chegou
(aaaah mesmo, que pena, não se vá, você é tão, tão, tão agradável)
Vai lá (sorrisinho, esse é verdadeiro, super, tchau desgraça)
-Mas qualquer dia eu passo lá tomar um café, ou vou na sua casa ver sua sobrinha
(vai sim, veneno de rato, coloco no café, coloco sim, só vai ter uma mera lembrança de alguma espuma na boca e acordar lá com Michael Jackson)
Vai sim (como sou falsa, jesuis)
-Tchau.
Tchau.

Suspiro e relaxo as costas no banco do ônibus, eu devo ser muito chata, eu não me aguentaria, mas oooooooo, ela ganha, juro.!
Não posso pergar ônibus de manhã, não mesmo.
Um beijo pro Michael.