sexta-feira, 31 de julho de 2009


Não sei se estou ficando muito cheia
ou muito vazia
Coisas me incomodam
E nem tenho mais tanta alegria
Em coisas que antes aqui cabia.

Gosto do tanto em qualquer canto
O talvez as vezes me visita
O pouco nem tem essa ousadia
Engulo e vomito sabias com quem me divide simpatia
Linguas pretas, linguas podres, linguas ternas e linguas doces
Tem uma lingua aqui que não tem lingua
Corre e percorre o corpo e o transcede
Não sabe falar nem dizer o que se sucede
Posso tentar usar os outros sentidos
Mas ainda sim é pouco.
Não sei se esse se alimenta de todos os outros
Mas é meu idioma preferido.

Algumas pessoas não o entendem.
Mas não importa

Saia, apague a luz e feche a porta.
Eles querem cobrar
Mas já temos o mar
Esse foi nos dado
Este, agora somos abençoados.
Dinheiro é sujo
O mar é o lugar.
E é lá que pra sempre, que não seja por corpo, que não seja por carne, mas vamos estar.

Você é lindo amor e estou bêbada. Amanhã estarei sóbria e você continuará lindo.