sexta-feira, 28 de agosto de 2009


Já que as jaulas estão aí pra me atormentar.
Cantam parabens na cozinha
Não me convidam, e eu fico feliz.
Quero me trancar até a hora passar
Tenho ainda uns céus pra voar
Algumas coisas pra ver de lá de cima.
Ainda ando me cortando pra certificar-me que posso sentir
O medo filho da puta acha que pode ficar grudado em meu sapato
Justo meus sapatos verdes, que eu tanto gosto.

Eu gosto de ainda receber canções de amor
Gosto de ainda poder riscar na parede o quanto o amo
Eu gosto de querer ouvi-lo todo dia
(na verdade, eu sempre quis morar na lua)
E tantos outros planos para os próximos oitenta anos
Eu gosto quando as pessoas dizem que é impossível.
Nesse mundo podre onde nada e ninguem sabe mais o que é
Matam, metem, mentem, atrofiam a mente
Ainda posso respirar.

Vou trocar de sapatos.