quarta-feira, 28 de outubro de 2009


A noite me convida pra dançar.
E as nuvens não nubladas brincam de esconder e mostrar os segredos do céu;
Um azul escuro mesclado com beleza tamanha, e as palavras me faltam;
A ternura entra em meus olhos, posso dizer quem sou um soluço no pensamento, em lembranças de instantes anteriores, de instantes seguintes...soam em câmera lenta.  Dos meus mais íntimos instantes, dos mais mudos e escondidos instantes em que minha mente deleita-se, eu posso dizer quem sou em parcelas de segredos, porque eu sou mistério e não sei ser outra coisa. E se o oculto não me fosse assim tão natural, a loucura me varreria, como as loucas varridas que enlouquecem pensando em serem normais. Posso dizer que ao saber de mim, poderá me imaginar, que ao olhar pra mim poderá me sugestionar, que ao me escutar poderá julgar-me, e ainda assim, não saberás de mim.
Pois sou a nuvem que esconde estrelas e sou estrelas que brincam sob as nuvens.