quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Ano que vem só quero chuva no meu quintal
Um amor fora do normal
E estampar meus dois homens na parede da alma.
Minha calma.
(Quero nosso tapete na sala
E nossa alma dilatada)

Daqui pra frente quero lembrar a todo momento de quem sou
Não me vender e nem me emprestar
Deixar a sujeira pro lado de lá, bem longe da sala do estar
Quero soar como uma gota escorrendo numa folha verde camurça, leve, suave e transparente
Quero que minha loucura tenha desafetos brutais com minha lucidez, e que as duas prometam não tentar me entender.


Um ano novo bem novo pra todos
E um beijo com tudo que desejo!