sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Me mate então.
De socióloga não tenho nada
De filósofa não tenho nem a barba
Retalhe meu rosto
E viverei assim
Com a alma acima do pescoço.