sexta-feira, 16 de abril de 2010


Ela botou a mão sob as coxas, ligeiramente sentiu sua pele seca, úmida, levou os dedos até seu mais íntimo
Ela parou sobre o ventre. Incontida, subvertida, um tanto auto-submissa
Saciando-se de infinito, perguntou-se por onde mesmo havia andado por esse tempo.
Molhou-se, como se num beijo.