sexta-feira, 22 de outubro de 2010

E tudo chorava pela vidraça.
No mínimo uma marcha fúnebre tocava em meu ouvido.

Silêncio, silêncio.

Hoje estou de luto, hoje saí de casa inteirinha de preto, tem algumas listras brancas no casaco,  hoje estou de preto, hoje sou inteira ausência de cor.
Estou bonita, elegante, indo ao velório do amor que eu matei.
Tomara que sirvam café.