terça-feira, 15 de março de 2011




Toda vez que encho os olhos
encho a alma com o lustre;
me estafo de tanto sentimento
como num orgasmo me sacio e derreto
E, fico a sorrir, em admirar quantas páginas ainda estão por vir.