segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Hoje cai a chuva
O Bento segue crescendo, cada vez mais inteligente.
Eu ando escrevendo pouco, fotografando pouco, bebendo pouco, olho pro espelho e me vejo acabada.
Descobri que quando amo, sou fraca
A gripe dele me deixa doente
Uma mentirazinha acolá me amolece os dentes
Mordo com menos força
Menos saliva.
A vida me disse que sou eu quem inventa motivos
Alguem me diz que sou muito intensa
(Imensa)
Ser intensa me dá bicudas no estômago e uivos nas madrugadas
(Pelada)
Esconder é palavra feia, mas em certos contextos ela pode ser um pacto de respeito, com nós mesmos, escondermos os defeitos, do tal espelho.
E eu que sou egoísta, me afago, agradeço a melancolia me dada
Sorrio pra mim e me vejo assim
de todo o sentimentalismo que me escorre
julgado barato
ao desgoverno d'alma 
sou toda carne
toda cólera
Lindamente jovem
Comendo uma suculenta costela com as mãos
Tenho fome, mas não comerei tudo
ou acabaria velha antes do tempo.

Ou acabaria a graça
 .